Home

Últimas Notícias

Uma cirurgia não resolve a questão psicológica, diz psiquiatra sobre mudança de sexo

Nenhum comentário MUNDO CRISTÃO

Uma cirurgia não resolve a questão psicológica, diz psiquiatra sobre mudança de sexo

A revista ‘American Journal of Psychiatry’ diz que errou ao analisar os números em um grande estudo de pacientes transgêneros, submetidos à transição hormonal e à cirurgia de mudança de sexo.

No segundo semestre do ano passado, a revista publicou os resultados de um estudo, apontando que as cirurgias “melhoravam a saúde mental dos pacientes”. Mas nesta semana, a revista retirou suas descobertas, dizendo que um segundo olhar sobre o assunto contraria a afirmação anterior.

Quando questionado sobre como um jornal de prestígio analisa incorretamente seus dados, o Dr. Ryan Anderson, pesquisador sênior de William E. Simon, da ‘Heritage Foundation’ em ‘Princípios Americanos e Políticas Públicas’, disse à CBN News que pode ter havido um resultado preferido para o estudo.

"O erro humano é uma possibilidade aqui", disse Anderson. "Mas também há a possibilidade de que houvesse uma preferência para um resultado específico do estudo. Para que eles desejassem que o estudo dissesse uma certa coisa. Obviamente, não sabemos neste caso em particular se este foi apenas um erro inconsciente ou se foi esse tipo de ‘erro’ [manipulação], uma pesquisa motivada, raciocínio motivado para levar a uma certa conclusão".

"Mas podemos dizer que a mídia não relatou uma das principais descobertas do estudo original: a transição hormonal não mostrou sinais de melhora", acrescentou. "Eles relataram apenas no estudo original que a transição cirúrgica mostrou sinais de melhora. E agora essa alegação foi retirada".

Cultura X Ciência

Anderson, o autor do livro “Quando Harry se tornou Sally: Respondendo ao Movimento Transgênero”, disse que o estudo original foi comemorado pela mídia e foi usado nas mídias sociais contra qualquer pessoa com um ponto de vista dissidente para acusá-los de serem “preconceituosos” e “transfóbicos”.
Isso "mostra que o momento cultural em que vivemos sugere que há apenas uma conclusão permitida para essa questão", disse ele. "E a única conclusão permitida é que ‘a transição é a melhor solução’. O maior conjunto de dados agora mostra e é isso que este estudo usa, o maior conjunto de dados mostra que não há benefícios, nem resolução de problemas psicológicos para os pacientes com transição hormonal e cirúrgica".

Quando questionado se aqueles que lutam contra a disforia de gênero devem pensar duas vezes sobre a cirurgia, Anderson disse à CBN News que as pessoas que lutam com sua própria identidade de gênero merecem saber a verdade.

"E o que a ciência está mostrando é que a transição hormonal-cirúrgica não fornece a integridade e a felicidade prometidas que esses pacientes estão buscando", observou ele. "Então, o que precisamos fazer é encontrar maneiras de ajudar os pacientes a se sentirem confortáveis ​​em seus próprios corpos. Precisamos ser respeitosos. Precisamos ser compassivos. Também precisamos ser sinceros. E, portanto, precisamos ajudar os pacientes que se sentem desconfortáveis em seus corpos a mais uma vez se sentirem confortáveis ​​em seus corpos. Mas não transformar radicalmente seus corpos, porque isso não traz a totalidade e a felicidade duradouras que eles procuram".

Preocupação com as crianças

Anderson também mencionou que não tinha visto nenhuma cobertura da mídia sobre a correção da revista, mas acha que a coisa mais importante agora e estar focado para cuidar das crianças.

"Neste momento, os pais estão sendo informados de que precisam colocar seus filhos para usarem medicamentos prescritos para bloquear a puberdade e tomar hormônios hormônios, etc", disse ele. "Esse é um protocolo de tratamento experimental ainda não estudado totalmente. E, portanto, acho que precisamos de mais pesquisas sobre o que podemos fazer pelos jovens e crianças que se sentem desconfortáveis ​​em seus próprios corpos e como podemos ajudá-los a se sentirem confortáveis ​​novamente. Mas nós não deveríamos estar correndo para prescrever medicamentos bloqueadores da puberdade e hormônios para transição de gênero. Os pais devem saber os fatos sobre isso também".

Do site GUIA-ME

LEIA TAMBÉM

Total
1
Share