Home

Últimas Notícias

Profecias apontam para China como protagonista da Guerra de Gogue e Magogue, diz rabino

Nenhum comentário MUNDO CRISTÃO

Profecias apontam para China como protagonista da Guerra de Gogue e Magogue, diz rabino

Enquanto distúrbios nos EUA e na Europa são alvo da atenção da mídia, a China avança em sua agenda de dominação mundial, relata reportagem do Breaking Israel News. “Mas, assim como o assassinato de um duque menor desencadeou a Primeira Guerra Mundial, a Guerra de Gogue e Magogue antes do Messias já deveria ter começado, provocada por uma batalha nas montanhas do Himalaia, região disputada por China e Índia.

A fronteira de 2.170 milhas entre China e Índia é disputada em 20 locais diferentes. As tensões começaram a crescer na fronteira do Himalaia entre China e Índia no início de maio, quando as forças chinesas se opuseram à construção de estradas indianas no vale do rio Galwan. Milhares de soldados dos dois países enfrentam-se a poucas centenas de metros um do outro na região de Ladakh, controlada pelos indianos.

Segundo militares indianos, as tropas chinesas usavam cassetetes embrulhados em arame farpado e porretes presos com pregos.

Os combates resultaram na morte de 20 soldados indianos. A inteligência dos EUA acredita que 35 soldados chineses morreram, incluindo um oficial sênior, de acordo com um relatório do US News. Dez soldados indianos foram capturados e libertados e um número não especificado de soldados chineses também foi capturado pelo lado indiano.

Em 20 de junho, a Índia removeu as restrições ao uso de armas de fogo para soldados indianos ao longo deste trecho da fronteira.

Disputa territorial

Ao todo, a China reivindica cerca de 90.000 quilômetros quadrados de território no nordeste da Índia, incluindo o estado indiano de Arunachal Pradesh, com sua população tradicionalmente budista.

A Índia diz que a China ocupa 38.000 quilômetros quadrados de seu território no platô de Aksai Chin, no oeste do Himalaia, incluindo parte da região de Ladakh.

A China tem financiado ativamente projetos econômicos no Paquistão, Mianmar, Sri Lanka e Nepal – vizinhos mais próximos da Índia – que temem em Nova Déli o medo de que Pequim esteja tentando cortar sua influência na região.

Os conflitos podem se agravar entre os dois países que têm arsenais nucleares, com a China possuindo cerca de 104 mísseis. Embora a Índia não tenha feito nenhuma declaração oficial sobre o tamanho de seu arsenal nuclear, estimativas recentes sugerem que a Índia possui 140 a 150 armas nucleares e produziu plutônio suficiente para 150 a 200 armas nucleares.

Um novo inimigo

Para o rabino Ken Spiro, historiador e conferencista sênior e pesquisador da Aish HaTorah Yeshiva, a China é um novo inimigo que representa um perigo totalmente sem precedentes.

"Acho que o mundo sempre subestimou a ameaça que a China representa", disse o rabino Spiro ao Breaking Israel News. "Eles nunca estiveram no radar militar do mundo porque nunca foram diretamente expansionistas em relação ao território.”

“A China tem uma economia poderosa e ambições ainda maiores. A Rússia nunca foi realmente uma ameaça econômica. A Rússia queria governar o mundo ideologicamente e militarmente, mas a China quer controlar o mundo tecnologicamente e economicamente”, diz Spiro. “E eles estão muito melhor situados para fazer isso do que a Rússia já esteve. Eles têm uma economia de superpotência e roubam a tecnologia de outros países", acusa.

Terceira Guerra

O rabino diz que o poderio tecnológico será o diferencial em possível guerra futura. “A guerra costumava ser algo simples. Nas guerras futuras, a tecnologia desempenhará um papel importante. Com a tecnologia certa, você pode desativar completamente outro país sem disparar um tiro.”

“Se houver uma Terceira Guerra Mundial em um futuro próximo, seria contra a China. Mas não seria uma guerra de tiros direta. Os EUA têm um exército tão grande que não vejo a China enfrentando-os diretamente nessa frente. Eles nem sequer financiam guerras por procuração como a Rússia", acredita.

China como Magogue

Europeus na China Medieval relataram descobertas de suas viagens ao Império Mongol. Alguns relatos e mapas começaram a colocar as “montanhas do Cáspio” e Gogue e Magogue, nos arredores da Grande Muralha da China.

É interessante notar que, de acordo com a tradição mongol, sua nação era descendente de Magogue. O Império Mongol já incluiu seções da Rússia, China e Coreia do Norte. Os chineses e todos os grupos minoritários que vivem na China são da raça mongoloide, que deriva do filho de Noé, Jafé. Os etimologistas conjeturaram que o nome Mongol é derivado do nome Magogue.

A Bíblia também pode conter uma referência anacrônica à China.

“E derramarei o meu furor sobre Sim, a fortaleza do Egito, e exterminarei a multidão de Nô. E porei fogo no Egito; Sim terá grande dor, e Nô será fendida, e Nofe terá angústias cotidianas.” (Ezequiel 30:15,16)

No hebraico moderno, "Sim" (סין) é o nome da China.

Aliança final do dia

O rabino Pinchas Winston, um prolífico autor do fim dos dias, acredita que a China poderia muito bem ser o líder unificador de Gogue e Magogue.

“Se a China fosse a líder da Guerra Gogue e Magogue, eles certamente teriam aliados, por medo, senão por um acordo ideológico. Imagino que o Irã e a Coreia do Norte sejam aliados, pois têm um inimigo ideológico comum que é o ‘Ocidente’. Isso pode incluir a Rússia", avalia.

O rabino Winston aprende isso com a explicação do comentarista francês medieval conhecido pelo acrônimo Rashi na passagem bíblica de Êxodo 19.

“Israel acampou ali em frente à montanha” (Êxodo 19:2b)

Como o verbo "acampado" está no singular, Rashi explica que Israel era "como um homem com um coração". Isso é semelhante a um verso que descreve os egípcios.

“Quando o faraó se aproximou, os israelitas avistaram os egípcios avançando sobre eles.” (Êxodo 14:10)

Da mesma forma, o verbo neste versículo também é singular, mas Rashi o explica como "um coração como um homem".

"Quando se trata de pessoas más, desde que haja um inimigo comum, elas podem agir como um", explicou o rabino Winston. "Mesmo que eles não tenham uma ideologia comum. Mesmo em questões internacionais como guerra e política. são contrabandistas por natureza, mas podem adiar o tempo suficiente para atacar um inimigo comum.”

“Isso explica por que a esquerda pode fazer alianças hipócritas com entidades, como o Islã e a China, que trabalham contra valores liberais. Se os valores são úteis, eles realmente não são valores e podem ir contra eles", explica.

Do site GUIA-ME

LEIA TAMBÉM

Total
1
Share