Home

Últimas Notícias

Pastor transforma igreja em abrigo para sem-teto durante pandemia, na Itália

Nenhum comentário MUNDO CRISTÃO

Pastor transforma igreja em abrigo para sem-teto durante pandemia, na Itália

Durante a quarentena, por um período de pelo menos três meses, os locais de culto de qualquer denominação na Itália ficaram desertos. Nessas condições, uma igreja decidiu manter suas instalações abertas para atender a população vulnerável.

Ainda hoje, algumas comunidades evangélicas na Itália decidiram não retomar as reuniões presenciais até o final de junho. Eles continuam realizando cultos online como medida de precaução. Mas havia uma igreja em particular, em uma área seriamente atingida pelo Covid-19, que foi contra a corrente.

A origem da pandemia, que deixou mais de 34.000 pessoas mortas na Itália, estava na área de Lodi, perto de Milão, na região da Lombardia.

Na cidade de Lodi, o pastor Gennaro Chiocca, da ADI (Assembleias Italianas de Deus), decidiu não fechar suas portas, mas sim abri-las à comunidade, transformando seu edifício em um centro de acolhimento para pessoas sem-teto, por entender que a ordem de "ficar em casa" não fazia sentido para esse público.

Eles começaram o Beth Campo, um projeto que deu novo uso ao edifício da igreja: o salão principal tornou-se um quarto. Uma das salas de aula da escola dominical tornou-se um consultório médico e uma sala de jantar, enquanto dois estandes com chuveiros foram instalados no pátio.

Este era o lugar onde um grupo de homens, principalmente migrantes, encontrava abrigo, tratamento amoroso e tudo o que era necessário para colocar em quarentena em um ambiente seguro. Alguns deles também encontraram Jesus.

“Aqui mesmo nesta cidade tão atacada por Covid-19, a igreja do Senhor precisava responder com sua missão de pregar e praticar o Evangelho”, disse o pastor Gennaro Chiocca, originalmente de Nápoles, fundador da ONG "Beth Shalom" que administra vários projetos missionários.

Um slogan impossível

Quando o governo ordenou que tudo permanecesse fechado, o pastor Chiocca viu a grande oportunidade de tornar seu local de culto útil para outras pessoas necessitadas.

“Enquanto na Itália nasceu o slogan 'Eu fico em casa', diante de nossos olhos, havia pessoas que não conseguiam cumprir: pessoas que moravam na rua, em veículos abandonados, nas estações ferroviárias. Pessoas com alto risco de contágio”, explicou o pastor.

A passagem bíblica que inspirou o trabalho de Chiocca, e o restante dos voluntários, é encontrada em Isaías 58:7. “Nas Escrituras descobrimos o fardo e a honra de acolher aqueles que 'eram pobres e sem refúgio', dando-lhes a oportunidade de receber a salvação em Cristo”.

Hoje, algumas dessas pessoas fazem parte da comunidade de fé da igreja ADI em Lodi.

Várias entidades sociais colaboraram no projeto missionário: Associação de Médicos Evangélicos Italianos, Médicos Sem Fronteiras, Cruz Vermelha Italiana e Proteção Civil. “As instalações permaneceram abertas como um 'hospital para pecadores' e não como um 'museu para santos'. Com razão, os museus foram incluídos nas restrições, mas não nos hospitais”, destacou Chiocca.

Trabalhadores voluntários

Um bom número de voluntários treinados alternava turnos para preparar e servir alimentos, prestar assistência médica, compartilhar momentos de louvor e oração, jogar pingue-pongue ou coordenar o trabalho de reforma no local onde as doações geralmente são mantidas.

Sala da escola dominical convertida em consultório médico. (Foto: Reprodução/Beth Campo)

“Pensamos que seria importante para os rapazes de Beth Campo se sentirem úteis e que esse trabalho pudesse ser uma lição de vida para eles: juntos, podemos alcançar objetivos pequenos e grandes. O Senhor está nos dando graça para transmitir a eles os valores que incentivam nossos voluntários: um coração que é purificado, lavado de pecados, recebe 'as cores' da vida que somente Jesus pode dar”, explicou um dos líderes.

Giovanna, uma jovem de Milão que, junto com o marido, se ofereceu para trabalhar com os migrantes nos fins de semana, compartilhou entusiasticamente como, ao longo das semanas, “algumas começaram a louvar a Deus conosco, ouvindo a Palavra e fazendo perguntas. Estamos interessados ​​em dar-lhes abrigo, comida e atenção médica, mas, acima de tudo, nos preocupamos que eles tenham a possibilidade de conhecer Jesus”.

O testemunho do serviço cristão teve um impacto na população e nas autoridades. Depois que a quarentena foi levantada e o projeto concluído, a autoridade local (Sindaco) de Lodi, Sara Casanova, agradeceu à igreja por sua contribuição ao fornecer suas instalações e a rede de voluntários que tornaram possível a administração de Beth Campo.

“Ao disponibilizar seu espaço durante as semanas mais agudas de emergência, você prestou um serviço extraordinário às pessoas que recebeu e a toda a comunidade de Lodi. Estamos cientes da complexidade da situação de que você se encarregou e que conseguiu enfrentar com um senso de dever e exatidão”, ela expressou em uma carta de reconhecimento.

Na história de Lodi, não apenas a tragédia da pandemia será gravada, mas também o amor proporcionado por uma igreja que não fechou suas

Do site GUIA-ME

LEIA TAMBÉM

Total
1
Share