Home

Últimas Notícias

Nova proposta de lei pode criminalizar pregação do Evangelho, na Escócia

Nenhum comentário MUNDO CRISTÃO

Nova proposta de lei pode criminalizar pregação do Evangelho, na Escócia

O governo da Escócia está considerando a introdução de novas leis sobre “crimes de ódio”, através do Comitê de Justiça de Holyrood que solicitou consulta pública sobre o projeto de lei sobre crime de ódio e ordem pública.

A lei existente abrange crimes contra raça, mas os ministros escoceses querem estendê-la para cobrir todas as outras "características protegidas", incluindo religião, orientação sexual e identidade de transgêneros.

Embora os cristãos nunca apoiem ​​comportamentos genuinamente ameaçadores ou abusivos, é difícil aprovar este projeto de lei por causa de algumas das coisas que ele inclui – não menos importante, as novas ofensas de "despertar o ódio".

Estender a lei dessa maneira terá profundas consequências para a liberdade de expressão e liberdade religiosa. Essas novas ofensas poderiam muito facilmente restringir nossa liberdade de proclamar Cristo como o único caminho da salvação ou de chamar as pessoas a se arrependerem do pecado – mesmo na igreja.

Perigo contra liberdades

Também é preocupante que o projeto de lei não inclua importantes salvaguardas legais contidas em legislação paralela na Inglaterra e no País de Gales, tornando essa legislação particularmente perigosa.

A conduta não precisa ser ameaçadora ou mesmo ter a intenção de despertar o ódio para que uma ofensa seja cometida. Em vez disso, o projeto de lei captura qualquer comportamento abusivo considerado suscetível de provocar ódio. Uma ofensa pode até ser cometida involuntariamente na privacidade de sua própria casa. E não há proteção suficiente para a liberdade de expressão.

Muitos que se opõem à verdade bíblica afirmam que discordar deles equivale a ódio. As ofensas propostas para "estimular o ódio" dariam aos hostis ao cristianismo uma nova ferramenta para tentar encerrar o debate e silenciar os cristãos.

"Uma ofensa pode até ser cometida sem querer na privacidade de sua própria casa. E não há proteção suficiente para a liberdade de expressão."

Tais leis, especialmente no clima de hoje, sem dúvida teriam um efeito assustador na liberdade de expressão. Pense em como isso poderia impactar o evangelismo estudantil, o trabalho de divulgação da igreja ou os cristãos que procuram debater questões morais e éticas.

Se este projeto de lei se tornar lei, muitas pessoas se censurarão, optando por não expressar suas próprias visões perfeitamente razoáveis ​​por medo de ofender alguém que possa discordar. Uma visão legal, mas impopular, poderá se tornar arriscada demais em breve.

Igrejas

Isso representa um problema particularmente difícil para os cristãos, pois sabemos que o Evangelho será ofensivo para muitos, como dizer às pessoas que elas são pecadoras, que sua conduta as separa de Deus e que não há caminho para o céu, exceto por Jesus. E além do mais, os cristãos não podem deixar de dizer isso, conforme está escrito em Romanos 1:16 diz: "Não tenho vergonha do evangelho, porque é o poder de Deus que traz a salvação a todos que creem".

Isso significa que se os cristãos mantiverem suas convicções, permanecerem no Evangelho e continuarem a explicar às pessoas o que a Bíblia diz sobre assuntos como sexualidade e diversidade de religiões, eles inevitavelmente ofenderão. Infelizmente, em uma cultura em que as pessoas parecem cada vez mais incapazes de se afastar daquilo com que discordam, é apenas uma questão de tempo até que a polícia seja arrastada para o assunto.

Um sermão da manhã de domingo, onde Cristo é pregado como o único salvador e se diz que todas as outras religiões são falsas, ou onde se diz que o comportamento homossexual é pecaminoso, poderia ver o pregador ser processado por despertar o ódio.
Já estamos vendo casos de cristãos e outras pessoas com opiniões impopulares sendo investigadas pela polícia sobre seus pontos de vista, e isso é sem que haja uma legislação tão vaga.

Do site GUIA-ME

LEIA TAMBÉM

Total
0
Share