Home

Últimas Notícias

Judeus e cristãos são principais alvos de ataques do Irã

Nenhum comentário MUNDO CRISTÃO

Judeus e cristãos são principais alvos de ataques do Irã

As ameaças de incêndio criminoso e outras feitas no Twitter refletem o mais recente aumento do antissemitismo no Irã.

No 72º aniversário da nação de Israel alguém incendiou um prédio perto da tumba de Ester e Mordecai. Este local religioso antigo tem um significado significativo para judeus e cristãos em todo o mundo.

"Não está totalmente claro quem é o vilão nisso, exceto dizer que o governo iraniano desvaloriza tanto a fé cristã que eles parecem estar olhando para o outro lado ou por trás dele", diz David Curry, da Portas Abertas.

Incêndios em três locais religiosos

Ativistas iranianos descreveram o incidente ao Simon Wiesenthal Center, uma das maiores organizações internacionais de direitos humanos judaicas. Em uma declaração de 15 de maio, os líderes do SWC alertaram que a história se repetia:

“A queima deste local sagrado judaico é uma reminiscência dos nazistas, que não apenas mataram os vivos, mas também profanaram os mortos. O ataque ocorreu no contexto da batida de ódio genocida da Mullahocracy contra o povo judeu, sua política patrocinada pelo estado de negação e denigração do Holocausto. Nesse ambiente, um ataque violento contra judeus, judaísmo e herança judaica não deveria surpreender ninguém”

Túmulo de Ester e Mardoqueu, Hamadan, Irã Ocidental. (Foto: Reprodução/MNN)

Mensagens de ódio

Vários tuítes antissemitas foram postados usando a hashtag #covid1948 após o incêndio, junto com pedidos de uma Palestina "livre".

“O líder supremo do Irã, Ali Khamenei, e sua mídia estatal por trás de uma campanha massiva de mídia social de mais de 500.000 mensagens contra o povo judeu e Israel sob o #covid1948 hashtag, culpando judeus, sionistas cristãos e evangélicos pelo Covid-19”, escreveu Adam Milstein, advogado e filantropo israelense-americano, em seu Twitter.

Em fevereiro, um grupo paramilitar ameaçou destruir o túmulo e substituí-lo por um consulado palestino.

“O Irã tentou manter algum tipo de política do avô em relação a locais religiosos, locais históricos; o túmulo de Ester e Mardoqueu é um desses”, diz Curry.

"No entanto, agora temos esses ataques e a discussão sobre se eles serão ou não transformados em algum tipo de epicentro do governo", diz.

Após o incêndio criminoso neste local antigo, segundo o artigo 18, houve incêndios em um templo hindu e em um cemitério cristão. As autoridades iranianas perseguem a maioria das minorias religiosas, mas os judeus recebem grande parte da atenção das autoridades.

Na semana passada, o Parlamento iraniano aprovou um novo projeto de lei "anti-Israel" e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, condenou o tuíte de um ministro das Relações Exteriores do Irã promovendo o genocídio.

O secretário anunciou na quarta-feira (27) que os Estados Unidos começarão a impor sanções a empresas estrangeiras que fazem negócios com o Irã em suas instalações nucleares, dando aos países 60 dias para encerrar suas operações.

Orações

A Mission Networks estimula os crentes a pedir ao Senhor para proteger as minorias religiosas no Irã. “O governo é amplamente impopular; às vezes, eles podem usar os cristãos como uma cunha para conseguir apoio das partes mais radicais da fé islâmica”, explica Curry. "Ore para que os cristãos não sejam usados ​​como peões".

A organização cristã também pede oração para que “as autoridades iranianas cheguem a um conhecimento salvador de Cristo”.

“O povo do Irã é bem-vindo e aberto ao Evangelho. Há uma igreja forte… então, acho que é realmente sobre o governo", diz Curry. "Podemos, esperançosamente, através da oração, ver algumas mudanças nas atitudes e nas regras para a fé cristã".

Do site GUIA-ME

LEIA TAMBÉM

Total
2
Share