Home

Últimas Notícias

Hospitais inflam número de mortes por Covid-19, diz diretor do Controle de Doenças dos EUA

Nenhum comentário MUNDO CRISTÃO

Hospitais inflam número de mortes por Covid-19, diz diretor do Controle de Doenças dos EUA

Há um incentivo financeiro para os hospitais aumentarem seus registros de mortes por Covid-19, segundo o Dr. Robert Redfield, diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) dos EUA, reconheceu na última sexta-feira (31), em depoimentos no congresso, em Washington.

“Eu acho que vocês estão certos, pois vimos isso em outros processos de doenças, também, como na epidemia de HIV. Alguém pode ter um ataque cardíaco, mas também estar com HIV. Então, o hospital prefere apontar como causa da morte o HIV, porque há um reembolso maior por isso”, disse Redfield ao Subcomitê de Supervisão e Reforma da Câmara, sobre a crise dos coronavírus.

Redfield sustentou que “provavelmente isso é menos operável na causa da morte” e garantiu aos parlamentares que revisou “todos esses atestados de óbito”, mas admitiu: “Quando se trata de questões de reembolso hospitalar ou de indivíduos que recebem alta, pode haver alguma jogada nisso, com certeza".

A lei federal CARES, o pacote de ajuda emergencial de US $ 2 trilhões que o Congresso aprovou em março, aumenta os reembolsos do Medicaid por paciente aos hospitais em 20% para os pacientes listados com um "diagnóstico principal ou secundário de Covid-19".

Peças do mesmo quebra-cabeça

Em 4 de agosto, estima-se que os Estados Unidos tenham visto mais de 4,9 milhões de casos de COVID-19, com mais de 160.000 mortes e 2,4 milhões de recuperações. Durante meses, no entanto, o debate continua sobre a precisão desses números.

Em abril, o Departamento de Saúde da cidade de Nova York convidou essas preocupações, acrescentando mais de 3.700 à sua contagem oficial de mortos, elevando sozinho o número nacional de mortos em COVID-19 em 17%, apesar desse número advir da adição de pessoas com "suspeita" de ter o vírus, mas que não foram testadas.

Nos meses que se seguiram, incidentes semelhantes provocaram ainda mais desconfiança em relação aos números oficiais, como o Colorado diminuindo sua contagem de mortes depois de admitir que havia contado pessoas que tinham resultado positivo, mas morreram por outros fatores.

O estado do Texas também removeu mais de 3.000 casos de sua positividade, depois que ficou sabendo que o Departamento de Saúde de San Antonio estava classificando "casos prováveis" como positivos "confirmados", apesar de nunca os terem testado.

Há também revelações de “incontáveis” laboratórios de testes da Flórida relatando taxas de positividade implausíveis de 100%, bem como vários outros laboratórios que relatam outras taxas suspeitamente altas, o que levou as autoridades de saúde a admitir que alguns laboratórios particulares não relataram nenhuma de suas descobertas negativas ao estado.

No mês passado, as preocupações com um atraso potencialmente enganador na publicação de estatísticas de coronavírus pelo CDC levaram o governo Trump a começar a exigir que os hospitais enviem dados do Covid-19 diretamente ao Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS), em vez da Rede Nacional de Segurança em Saúde do CDC .

Em maio, o Washington Post citou a Dra. Deborah Birx, coordenadora de resposta da Força-Tarefa de Coronavírus da Casa Branca, admitindo em particular que "não há nada no CDC em que se possa confiar". Birx suspeita que as mortes possam ser inflacionadas em até 25%, dado o problema de hospitais e agências de saúde que classificam "mortes por Covid-19" como qualquer pessoa que tenha morrido após testar positivo para o vírus, mesmo que o vírus não seja a causa real de morte.

Qualquer que seja a verdade, a percepção pública do perigo representado pelo coronavírus trouxe consequências intensas no mundo real. Em vez de políticas direcionadas para proteger populações vulneráveis, a maioria dos estados respondeu ao surto impondo limites estritos à atividade "não essencial", incluindo atrasos em procedimentos médicos não urgentes. Como resultado, centenas de milhares de empregos foram perdidos, com mais de 33 milhões de americanos entrando no desemprego e estudos prevendo que dezenas de milhares de pequenas empresas nunca reabrirão.

O número de casos em que problemas de saúde mental e emocional se agravaram devido ao isolamento social prolongado também tem sido uma preocupação significativa, com Redfield alertando no mês passado que vê-se “infelizmente, muito mais suicídios" e "mortes por overdose de drogas que estão muito acima" do que as mortes pelo Covid-19.

Do site GUIA-ME

LEIA TAMBÉM

Total
1
Share