Home

Últimas Notícias

Forçada a casamento islâmico, garota cristã está grávida e confinada em quarto no Paquistão

Nenhum comentário MUNDO CRISTÃO

Forçada a casamento islâmico, garota cristã está grávida e confinada em quarto no Paquistão

Uma adolescente cristã paquistanesa que foi sequestrada e forçada a um casamento islâmico no ano passado agora está grávida e confinada em um quarto por seu agressor, disse um advogado que representa sua família.

Tabassum Yousaf, um advogado que representa os pais de Huma Younus, de 15 anos, disse à instituição ‘Aid to the Church in Need International’ que a adolescente informou seus pais por telefone que está grávida depois de ser estuprada repetidamente pelo homem que a sequestrou. .

"Questionada pelo pai sobre se ela poderia sair da casa do sequestrador e retornar à casa dos pais, ela lhe disse que não tem permissão para sair de casa e que sua vida se tornou ainda mais difícil", explicou Yousaf. "[Ela] agora está presa dentro das paredes de um quarto".

Younus foi levada de sua casa em 10 de outubro de 2019, aos 14 anos de idade, e depois se casou à força com um muçulmano radical chamado Abdul Jabbar. Ela também foi forçada a se "converter" ao islamismo.

Os pais de Younus declararam inválido o casamento entre a filha e o sequestrador porque ela não tem idade legal (18 anos) para consentir com o casamento sob a Lei de Restrição ao Casamento Infantil de Sindh.

De acordo com Yousaf, o irmão de Jabbar, Mukhtiar, é membro do ramo Rangers das forças de segurança paquistanesas e ameaçou matar os pais da adolescente se eles intervirem.

"Este homem entrou em contato com os pais de Huma por meio de videochamadas e os ameaçou diretamente, mostrando suas armas e dizendo que os mataria se fossem procurar sua filha", disse Yousaf. "Esse mesmo homem, Mukhtiar, acrescentou em mensagens de áudio que, mesmo que todos os cristãos se unissem para trazer Huma de volta, ele mataria os pais dela e qualquer um que tentasse ajudá-los".

De acordo com a organização, o caso da família já havia sido encerrado pelo Terceiro Magistrado Judicial de Karachi East com base na falta de provas, embora a família tenha apresentado uma declaração juramentada da escola de Huma e um certificado de batismo da Igreja de St. James em Karachi, mostrando que a data de nascimento da criança foi em maio de 2005.

A família recorreu da decisão. Após a apelação, os magistrados entraram em contato com a autoridade oficial de registros públicos do Paquistão para obter a certidão de nascimento da menina.

O apelo da família estava marcado para ser ouvido no Tribunal Superior de Sindh na segunda-feira passada. No entanto, o tribunal está fechado devido à pandemia do coronavírus. De acordo com a instituição, é improvável que o tribunal seja reaberto até agosto.

Yousaf afirma que o advogado que representa Jabbar está usando manobras legais na tentativa de atrasar ainda mais o caso. Yousaf disse que é muito provável que quando Younus fizer 18 anos, o caso seja interrompido indefinidamente.

Contexto

Como o Paquistão é um país majoritariamente muçulmano, Yousaf enfatizou que há uma tendência a longos atrasos para processos judiciais envolvendo minorias religiosas.

"A justiça atrasada é a justiça negada, portanto, todo atraso no julgamento da defesa dos direitos das minorias religiosas representa uma negação desses direitos", disse Yousaf. "O tribunal adiou e continua adiando a justiça em nome de Huma, apenas porque ela é uma garota cristã menor de idade".

Yousaf afirma que, se Younus fosse uma garota muçulmana, as autoridades agiriam "imediatamente".

"Como advogado, tenho certeza de que o presidente da Suprema Corte do Paquistão poderia conceder justiça aos pais da menina e à própria Huma", acrescentou Yousaf. "No entanto, em todos os outros níveis inferiores do sistema judicial, a justiça para as minorias não será possível".

Yousaf enfatizou que, embora as estimativas variem, é provável que haja 2.000 casos por ano de meninas menores de idade no Paquistão que foram sequestradas em circunstâncias semelhantes às de Younus. Ela alertou que muitos desses casos não são relatados.

A Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA relata que várias instituições independentes "reconhecem que cerca de 1.000 jovens mulheres são convertidas à força ao Islã a cada ano", muitas das quais são "sequestradas, casadas à força e sujeitas a estupro".

A Open Doors USA, principal organização internacional de vigilância de perseguição cristã, classifica o Paquistão como o quinto pior país do mundo em perseguição cristã.

O Departamento de Estado dos EUA também lista o Paquistão como um "país de particular preocupação" que se envolve ou tolera "violações sistemáticas, contínuas e flagrantes da liberdade religiosa".

"Os cristãos relatam que suas meninas são frequentemente sequestradas, estupradas, forçadas a se casar com seu sequestrador e convertidas à força", diz um dossiê da Portas Abertas dos EUA sobre o Paquistão. “As autoridades não agem; pelo contrário, geralmente eles se juntam às famílias muçulmanas que sequestram as meninas. Consequentemente, os pais dessas mulheres e meninas vitimadas começam a sentir que não faz sentido tomar medidas legais. Mesmo quando um caso chega aos tribunais, as meninas são forçadas a testemunhar que se converteram voluntariamente”.

Do site GUIA-ME

LEIA TAMBÉM

Total
0
Share