Home

Últimas Notícias

“Falsos profetas evitam doutrinas desagradáveis para agradar os ouvidos”, diz pastor

Nenhum comentário MUNDO CRISTÃO

“Falsos profetas evitam doutrinas desagradáveis para agradar os ouvidos”, diz pastor

O Pr. Shane Idleman escreveu o artigo “As 7 características inconfundíveis dos falsos profetas”, onde alerta para as profecias que têm surgido devido à pandemia enfrentada pelo mundo. Analisando os versículos Mateus 24: 11-12 (“Então muitos falsos profetas se levantarão e enganarão a muitos. E como a iniqüidade abundará, o amor de muitos esfriará”), o pastor diz que “ele definitivamente se aplica aos dias de hoje”.

“Muitas pessoas querem saber sobre os sinais do fim dos tempos, mas primeiro precisamos discernir as vozes do fim dos tempos – vozes da verdade versus as da falsidade”, alerta.

Shane diz que um falso profeta é aquele que proclama: "Isto é o que Deus diz", quando não é o que Deus está dizendo. “Eles também adotam movimentos ímpios porque estão cheios do mundo e não do Espírito de Deus”, afirma.

Para o fundador e pastor principal da Westside Chrisitan Fellowship no sul da Califórnia, os líderes que não estão muito cheios do Espírito de Deus podem exibir algumas das mesmas características dos falsos profetas, que descreve abaixo. “No entanto, nesses casos, eles não têm o fogo sagrado, mas não são necessariamente líderes falsos”, diz.

“Tenha cuidado em rotular as pessoas muito rapidamente. O falso profeta traçará linhas claras na areia; aqueles que lutam precisam apenas de orientação bíblica. Se não nos apegarmos à cruz e buscarmos a Deus diariamente, poderíamos facilmente nos tornar mornos e não representá-lo com ousadia. Todos nós devemos estar vigilantes”, explica.

O pastor diz que existem falsos profetas nos cultos que rejeitam completamente a divindade de Cristo. Sobre isso, ele diz, o apóstolo Pedro alertou: "Mas também havia falsos profetas entre o povo, assim como haverá falsos mestres entre vocês, que secretamente trarão heresias destrutivas, negando até o Senhor que os comprou, e trarão consigo a destruição rápida" (2 Pedro 2:1).

“Os falsos profetas dirão que acreditam em Jesus, mas nunca se arrependeram de seus pecados e o abraçaram como Senhor e Salvador”, diz o pastor, que orienta os cristãos a olharem os frutos destas pessoas.

Shane destaca os 7 sinais para se reconhecer um falso profeta, baseado em Jeremias 23.

1. Os falsos profetas espalham o rebanho de Deus em vez de uni-lo. "Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto!", diz o Senhor" (v. 1).

Os falsos profetas dividem o corpo de Cristo, adotando a teologia liberal e apoiando coisas como o casamento gay. Os crentes cheios do Espírito ficam perplexos e confusos porque os falsos mestres continuam promovendo o pecado, em vez de olhar para o que Deus diz. É verdade que alguns cristãos não entendem completamente o que a Bíblia diz sobre certos tópicos e, portanto, podem parecer vagos em sua posição. Essas pessoas não são necessariamente falsos profetas; eles são biblicamente analfabetos.

2. Os falsos profetas não se importam com as necessidades espirituais dos outros. Eles parecem amorosos com o mundo, mas os cristãos maduros podem identificar sua hipocrisia. Eles marcham com movimentos ímpios, mas não dizem nada sobre o assassinato de crianças no útero. Eles são arrogantes e ousadamente apertam os punhos para Deus em nome da tolerância. Em 2 Timóteo, Paulo alerta sobre pessoas que são rebeldes, mas que têm uma forma de piedade. O mundo os ama porque eles não são condenados por suas mensagens.

É certo que muitos de nós lutamos com o egoísmo, mas a repreensão de Deus está focada em como eles lideram: “Você dispersou Meu rebanho, os afugentou e não os atendeu. Eis que eu atenderei a você pelo mal de suas ações', diz o Senhor” (v. 2). Não cuidar de seus rebanhos é não cuidar de suas necessidades espirituais. As pessoas estão morrendo espiritualmente, e os falsos líderes os aconselham a continuar pecando. Em vez de oferecer a cura, eles incentivam a doença. Isso leva direto ao próximo ponto.

3. Falsos líderes encorajam as pessoas a saciar a carne, em vez de combatê-la. Eles têm mais medo da santidade do que pecaminosidade. As palavras de Jeremias estão mortas aqui: "Eles também fortalecem as mãos dos malfeitores, para que ninguém se afaste da sua maldade" (v. 14). Eles encorajam o pecado e evitam palavras como arrependimento. Eles não falam sobre julgamento, porque convence sua alma não convertida. O que eles precisam é exatamente o que eles estão fugindo – o arrependimento. Eles promovem a liberdade, mas são "escravos da depravação" (2 Pedro 2:19).

Há uma enorme diferença entre um cristão que diz: "Não sou muito claro sobre esse assunto, mas estou buscando respostas na Palavra de Deus" e um líder que diz que Deus está bem com o pecado. Os falsos profetas geralmente se alinham com Hollywood mais do que com o Espírito Santo. Eles falam sobre paz, mas nunca sobre arrependimento: “A todos que andam de acordo com os ditames de seu próprio coração, eles dizem: 'Nenhum mal cairá sobre você'” (v. 17). É verdade que é bíblico incentivar e ajudar as pessoas. Devemos encorajá-las no meio de seus pecados, mas nunca devemos encorajar o pecado.

4. Os falsos profetas evitam as verdades difíceis da Bíblia. Para realmente ajudar as pessoas, devemos pregar as verdades difíceis, bem como as alegres, pregar a cruz e a nova vida, pregar o inferno e o céu, pregar condenação e salvação, pregar pecado e graça, pregar ira e amor, pregar julgamento e misericórdia. Pregue obediência e perdão, pregue que Deus é amor, mas não esqueça que Deus é justo. É o amor de Deus que nos obriga a compartilhar toda a Sua verdade. Mas os falsos mestres evitam doutrinas desagradáveis ​​para agradar os ouvidos, em vez de desafiar corações. Os cristãos não devem ser uma câmara de eco para o mundo, mas uma voz poderosa proclamando a Palavra de Deus com um espírito de humildade.

5. Os falsos profetas usam a frase "não julgue" fora de contexto (este ponto difere do sermão acima). Para eles, "julgar não" aparentemente significa "não ofenda". Quando perguntados por que eles não falam sobre pecado, suas declarações são mais ou menos assim: "Não é meu trabalho julgar, apenas amar". Sim, precisamos amar as pessoas e evitar uma atitude de julgamento, mas esse não é o problema aqui. Leonard Ravenhill era famoso por dizer que devemos "chorar antes de chicotear". É verdade que o amor bíblico fala a verdade, especialmente com relação a questões morais que destroem vidas e desonram a Deus. Devemos julgar, "questionar" comportamentos, escolhas e estilos de vida que levam as pessoas a uma direção perigosa. Em 1 Coríntios 2:15, o apóstolo Paulo disse que aqueles que são espirituais devem julgar e discernir todas as coisas. As famosas palavras de Jesus "não julgue" foram feitas para condenar um coração de julgamento cheio de orgulho, para não nos manter calados sobre o pecado. Simplesmente leia Mateus 7 em seu contexto completo.

6. Os falsos profetas questionam a inerrância e a confiabilidade das Escrituras. Como resultado, eles costumam dizer "eu penso", em vez de "eu sei" quando se trata de verdade bíblica. É aqui que o problema começa. Quando minimizamos a autoridade da Palavra de Deus e maximizamos nossa opinião, sempre desviaremos os outros. Os falsos professores não têm fundamento sólido para suas vidas ou para sua teologia. Mas se “eles seguissem o meu conselho e fizessem com que o meu povo ouvisse as minhas palavras, eles os teriam desviado do seu mau caminho e do mal de seus feitos” (v. 23). Deus é claro aqui que apenas a pregação não diluída de Sua Palavra leva a vidas radicalmente transformadas. Ironicamente, porque eles questionam a Palavra de Deus, eles mesmos não gostam de ser questionados. A verdade convida ao escrutínio, mas o erro é executado.

7. Os falsos profetas carecem de ousadia e não têm urgência em sua pregação. Quando Deus verdadeiramente chama uma pessoa e a enche de Seu Espírito, a ousadia sempre se segue. Eles falam com autoridade e urgência. Eles estão mais preocupados com a opinião de Deus do que com a opinião popular. É o que o Senhor diz: “Fique no pátio da casa do Senhor e… diga a eles tudo o que eu ordeno; não omita uma palavra” (v. 28).

Sim, amor e graça conquistaram muitos corações duros, mas Deus também usa pregações ousadas: “’Minha palavra não é como fogo?’, diz o Senhor, ‘e como um martelo que quebra a rocha em pedaços?’” (v. 29) Mas os falsos mestres “falam grandes palavras inchadas de vazio e “seduzem através das concupiscências da carne” (2 Pedro 2:18). Suas palavras não são um fogo ardente, mas brincadeiras vazias.

As verdadeiras vozes proféticas costumam ser radicais demais para a maioria das pessoas porque ameaçam sua zona de conforto e desmantelam o cristianismo morno. Mas não é esse o ponto? "Quando nos tornamos tão tolerantes que levamos as pessoas ao nevoeiro mental e às trevas espirituais, não estamos agindo como cristãos – estamos agindo como covardes" (A.W. Tozer).

A pergunta mais importante que se pode enfrentar é: "Você realmente conhece Deus?" Não podemos minimizar a destruição, o perigo e o dano do pecado. Jesus não morreu na cruz por uma pequena violação. Ele morreu porque a ira de Deus habitava todos os humanos que já viveram. Se você é um falso professor ou se afastou de Deus, mude isso hoje e adote o maravilhoso presente da segurança através do arrependimento e confissão do pecado. "Se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres" (João 8:36). A graça de Deus inundará sua alma quando Ele renova e reconstrói sua vida.

Do site GUIA-ME

LEIA TAMBÉM

Total
0
Share