Home

Últimas Notícias

Estados que permitem protestos também devem permitir cultos, diz governo Trump

Nenhum comentário MUNDO CRISTÃO

Estados que permitem protestos também devem permitir cultos, diz governo Trump

O Departamento de Justiça do governo Trump está pressionando o governador do Estado de Washington, Jon Inslee a afrouxar as restrições às igrejas, argumentando que a política estadual permite protestos pacíficos ilimitados, enquanto estar sob o teto das casas de culto continua sendo proibido.

Em uma declaração de interesse de 11 de junho, em um tribunal federal de Tacoma, Washington, que apoia uma igreja do estado de Washington, o Departamento de Justiça argumentou que "impor uma restrição rígida a todo culto religioso e nenhuma restrição a reuniões seculares é um tratamento desigual".

O estado de Washington limita também os cultos ao ar livre a 100 pessoas "independentemente do distanciamento, higiene e outras medidas de precaução". Também limita restaurantes e tabernas a 50% da capacidade, enquanto limita as casas de culto a 25% da capacidade, com um limite máximo de 50 indivíduos.

“No entanto, eles permitem protestos sem limitação numérica, com apenas uma sugestão inexequível e não forçada do Governador de que 'as pessoas estejam seguras para si e para as pessoas ao seu redor' usando 'uma máscara e se distanciando o máximo que puder'', diz o texto.

O processo contra o estado foi instaurado pela igreja ‘Harborview Fellowship’, em Pierce County, Washington.

O documento do tribunal federal também cita a opinião do presidente da Suprema Corte John Roberts, de 29 de maio, de que as igrejas deveriam ser tratadas da mesma forma que "reuniões seculares comparáveis" de "grandes grupos de pessoas" em "proximidade por longos períodos de tempo". Embora a opinião de Roberts tenha decepcionado os conservadores da época, o Departamento de Justiça espera que seus comentários sobre grandes reuniões influenciem o tribunal de Tacoma.

Os protestos contra o racismo em todo o país estavam ainda começando quando Roberts e o tribunal consideraram o caso na Califórnia. Seu voto foi decisivo no caso de uma igreja da Califórnia que perdeu no tribunal superior, por 5-4.

"Washington parece" isentar ou tratar com mais indulgência "precisamente os tipos de atividades que o juiz Roberts sugeriu que seriam apropriadamente comparadas a reuniões religiosas", diz o informe do Departamento de Justiça.

A igreja de Washington "deseja e pretende impor restrições de distanciamento social e procedimentos de higiene semelhantes aos impostos por restaurantes e tabernas, e maiores restrições e procedimentos do que os que são exigidos dos manifestantes", diz o documento.

Os fatos do caso "mostram que o Estado impôs limites à atividade religiosa que não impôs a atividades seculares comparáveis", diz o documento, chamando isso de "violação do exercício livre".

O advogado Brian T. Moran, do Distrito Oeste de Washington, disse que "a capacidade de reunir-se para expressar a fé e buscar conforto é um direito fundamental".

"Assim como vimos manifestantes pacificamente reunidos e exercendo seus direitos garantidos pela Primeira Emenda, também devemos proteger o direito de instituições religiosas, como igrejas, mesquitas e templos, de se reunir e expressar sua fé", disse Moran em comunicado.

Enquanto isso, o Departamento de Justiça enviou uma carta aos funcionários do condado de Montgomery, Maryland, em 10 de junho, observando que o condado permitia um protesto de "centenas de pessoas aglomeradas em uma biblioteca", mas aparentemente negava "encontros semelhantes para fins religiosos".

"O Conselho deve garantir que não imponha condições mais onerosas às reuniões para exercícios religiosos do que às reuniões com outros fins", diz a carta.

Do site GUIA-ME

LEIA TAMBÉM

Total
1
Share