Home

Últimas Notícias

China transforma igrejas em ‘centros culturais’ para promoção dos valores socialistas

Nenhum comentário MUNDO CRISTÃO

China transforma igrejas em ‘centros culturais’ para promoção dos valores socialistas

Como parte da repressão contínua da China ao cristianismo, as autoridades comunistas transformaram várias igrejas do ‘Movimento das Três Autonomias’ (aprovadas pelo Estado) em ‘centros culturais’, destinados a promover os valores socialistas do presidente Xi Jinping.

O Observatório de Perseguição da agência China Aid relata que recentemente, a Igreja Flowing Stream, no município de Yangzai, no distrito de Funing, província de Jiangsu, foi ocupada à força por funcionários do Partido Comunista da China e transformada no "Centro de Serviços Culturais ‘Flowing Stream’ de Yangzai".

A igreja havia sido dissolvida anteriormente pelo Departamento da Frente Unida local e foi acusada de "ocupar a base cultural da vila".

Um morador local disse à China Aid que agora, o prédio é usado para promover os principais valores socialistas do Presidente Xi e espalhar "energia positiva" em vez do Evangelho.

Outra igreja nas proximidades, a Igreja de Beizhouzhuang, foi transformada no "Composto Cultural de Beizhouzhuang" depois que os membros "doaram voluntariamente o local da vila” (de acordo com o governo). A igreja também foi dissolvida em outubro passado por não ter o registro correto, de acordo com a China Aid.

Contexto

Nos últimos anos, surgiram vários relatórios de autoridades chinesas substituindo cruzes com a bandeira do Partido Comunista Chinês e imagens de Jesus Cristo por imagens do Presidente Xi Jinping e transformando igrejas em edifícios para atividades políticas.

Essas atividades fazem parte de uma estratégia maior por parte do Partido Comunista Chinês de interromper qualquer tipo de organização fora do Partido, de acordo com a Missão Portas Abertas (EUA).

A organização, que listou a China na 23ª posição na lista de 50 países onde é mais difícil viver como cristão, observa que todas as igrejas são vistas como uma ameaça se elas se tornarem grandes demais, políticas demais ou receberem convidados estrangeiros.

Em abril, um crente na cidade de Yangbu disse que as autoridades locais demoliram a cruz de uma igreja ligada ao Movimento das Três Autonomias, com planos de transformar a igreja de 300 metros quadrados em uma instalação para idosos.

Também foi relatado que, em meio ao surto de coronavírus, os pobres moradores de comunidades cristãs de várias províncias foram obrigados a renunciar à sua fé e substituir imagens de Jesus por retratos do ex-presidente Mao Tsé Tung e do atual presidente Xi Jinping ou correriam o risco de perder seus benefícios sociais.

David Curry, presidente e CEO da Portas Abertas (EUA), que esteve em uma viagem à China dias antes da pandemia emergir da província de Wuhan, “testemunhou em primeira mão como o governo chinês está usando vigilância em massa e modelagem de dados para monitorar e punir os cidadãos que escolhem ir à igreja ou compartilhar material religioso”.

"O fechamento forçado de milhares de igrejas e a remoção de cruzes de prédios são agora táticas comuns pelo governo chinês para limitar, se não extinguir, a prática cristã", escreveu Curry em um artigo. "A ambição totalitária da China de construir um estado que tem o governo como Deus está motivando a erradicação constante da prática religiosa, a qualquer custo".

A China, um país oficialmente ateu, também foi acusada de se envolver em crimes de direitos humanos contra outros grupos minoritários religiosos, incluindo muçulmanos uigures, praticantes do Falun Gong e budistas tibetanos.

No ano passado, o Embaixador dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional Sam Brownback disse durante uma viagem a Hong Kong que o Partido Comunista Chinês "está em guerra com a fé".

"É uma guerra que eles não vencerão", declarou Brownback, segundo relatos. "O Partido Comunista Chinês deve ouvir o clamor de seu povo por liberdade religiosa".

Do site GUIA-ME

LEIA TAMBÉM

Total
1
Share